Orgulho e Preconceito vai ganhar versão erótica

Lembram que no último post eu comentei sobre a trilogia “Fifty Shades of Grey”? Pois então, hoje eu vi uma notícia que muito me interessa e decidi dividir com vocês! Estou elaborando o post sobre Fifty Shades (ou Cinquenta Tons de Cinza) e espero poder postar em breve. Como já mencionei antes, não tenho preconceitos com leitura, e leio livros eróticos SIM, mas Fifty Shades não se trata somente disso, como muitas pessoas gostam de rotular. E eu realmente não vou me importar de ver os clássicos revisitados de uma forma erótica, desde que seja feito com bom gosto. E vocês, o que acharam da idéia?

Uma editora especializada em livros para adultos planeja publicar edições eróticas de clássicos como “Jane Eyre” e “Orgulho e Preconceito”, segundo o jornal britânico “The Independent”.

A empresa se diz 100% convencida de que existe um mercado para versões picantes de romances do século 19 de autoras como Charlotte Bronte e Jane Austen, e de que essas versões introduziriam obras clássicas a “uma nova geração de leitores”.

Entre os outros títulos na mira da Clandestine Classics estão “Northanger Abbey”, também de Jane Austen, e as histórias de Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle.

O anúncio coincide com o sucesso do “Fifty Shades of Grey”, romance erótico de E.L. James apelidado de “pornô das mamães” pela mídia britânica.

Fonte texto: Folha de São Paulo.

Capas: Huffington Post


O&P 2005 – Roteiro Original – Final

Nos movemos por uma grande festa de casamento, seguindo Elizabeth e Darcy. Nós encontramos todos os nossos personagens. Lydia e Wickham não estão presentes. Deixe todo mundo ter um final.

Darcy e Elizabeth se beijam, então Darcy puxa Elizabeth para as sombras. Nós os vemos desparecer pelo parque.

Chegando perto, nós os vemos à luz do luar. São Darcy e Elizabeth. Um veado se vira para olhar para eles. A música desvanece enquanto eles se distanciam da casa, subindo a colina, passando os afloramentos das rochas. Uma coruja pia. Darcy se vira para Elizabeth e sorri.

DARCY: “Permita-me, Sra Darcy.”

Ele estende a mão. Ela a pega. Ele a ajuda a subir nas rochas. Quando chegam ao topo eles se sentam lá, lado a lado, e olham para as luzes distantes de Pemberley.

ELIZABETH: “Como começou?”

DARCY: “Não posso determinar a hora, o lugar ou o olhar. Foi muito tempo atrás. Eu estava no meio antes de saber que eu havia começado.”

ELIZABETH: “Agora seja sincero, você me admirou pela minha impertinência?”

DARCY: “Pela vivacidade do seu espírito, sim.”

ELIZABETH: “Você pode muito bem chamar de impertinência, no entanto faça disso uma virtude se quiser. Minhas qualidades estão sob sua proteção, e você pode exagerá-las tanto quanto possível. E, em troca, cabe a mim encontrar ocasiões para provocá-lo e discordar de você com a máxima frequência… e começarei imediatamente…”

Nós recuamos… as figuras deles diminuem, cada vez menores sob o imenso céu coberto de estrelas… Cada vez mais fracas, o som da música e risadas…

Desaparecem para a escuridão.

Fim.

 _____________________________________________________

 “Tínhamos grandes idéias sobre como terminar o filme, grandes casamentos, muitos figurantes e coisas grandiosas, mas a verdade é que, no final, o que é importante são as emoções de carinho e honestidade.” Joe Wright.

– Eu gosto do final que está no filme, que para mim é o encontro dos dois ao amanhecer. Mas gosto muito de uma citação do livro que está incluída nesse roteiro: “Não posso determinar a hora ou o lugar, ou o olhar, ou as palavras que estabeleceram o alicerce. Foi muito tempo atrás. Eu estava no meio antes de saber que eu havia começado.


Elizabeth Bennet e Mr. Knightley

Achei essa imagem em um Tumblr, e por algum motivo tosco achei muito engraçado. A foto de ‘Elizabeth’ e ‘Mr. Knightley’ é do filme Possessão de 2002. E o que dizer de Elizabeth e Mr. Darcy depois de 15 anos de casados? Tô pra dizer que o tempo não foi muito gentil com a Elizabeth.

Para quem não assistiu o filme, a primeira imagem é de O Discurso do Rei.


Mensagem para Você

O filme é velho mas só assisti pela primeira vez esse ano. Nem preciso dizer que adorei as referências a Orgulho e Preconceito.