Orgulho e Preconceito – BBC 1995

É velho mas é bom. Essa é a definição correta para essa série. Eu já assisti tudo (ou quase tudo) de adaptações que foram feitas de Orgulho e Preconceito, e depois do filme de 2005, a série da BBC de 1995 é a melhor. Com 5 horas de duração, é claro que a série conseguiu ser bem mais detalhada e fiel do que um filme, que muitas vezes tem que cortar e resumir muitas partes para se adequar ao limite de tempo. Essa série é muito famosa, principalmente na Inglaterra, onde bateu recordes de audiência quando foi exibida. Eu só assisti ano passado, depois de ter assistido ao filme, e devo confessar que na primeira impressão, eu não gostei. Acho que estava sob muita influência do filme ainda, mas depois da segunda vez, comecei a gostar cada vez mais.

Collin Firth é a encarnação perfeita do Mr. Darcy, e ponto final. Quem já leu as outras ‘viagens’ que escrevi aqui antes, sabe que o MEU Mr. Darcy preferido é o Matthew Macfadyen, e duvido que isso algum dia vai mudar, mas o Darcy de Collin se parece muito mais com o do livro. Ele é perfeito tanto nas caras de desdém e altivez, quanto nas de apaixonado, que são as minhas preferidas, principalmente essa:

Ah, é claro, não posso deixar de comentar a famosa cena do lago. A cena é bem inocente, não tem qualquer conotação sexual, mas foi capaz de mexer com a imaginação de muitas mulheres; Bridget Jones por exemplo é fanática por essa cena.

 Já li muitos elogios à interpretação de Jennifer Ehle como Elizabeth Bennet, mas eu sou obrigada a confessar que eu não gosto dela! Não costumo gostar de nenhuma das Elizabeth, acho que é dor de cotovelo minha, mas se for para escolher uma, ainda prefiro a Keira. O final, a cena do entendimento entre Darcy e Elizabeth é igualzinha como está no livro, e eu devia ficar feliz com isso, mas não consigo deixar de pensar que poderia ter sido um pouco mais emocionante. OBS. O beijo, no final, depois do casamento, completamente desnecessário, eu sempre paro o Dvd nesta parte. Links para baixar por os episódios:

http://uksriesdownload.blogspot.com.br/2010/12/pride-and-prejudice.html

http://www.seriesuk.biz/search/label/Pride%20and%20Prejudice

ou:

http://www.2shared.com/file/t9gvGkrN/01_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html
http://www.2shared.com/file/yZlIEHEx/02_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html
http://www.2shared.com/file/Ip5EXSnm/03_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html
http://www.2shared.com/file/DvkDAlZ1/04_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html
http://www.2shared.com/file/QxF2pMJJ/05_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html
http://www.2shared.com/file/1ciRxWGf/06_-_Pride_and_Prejudice_-_ISL.html

Anúncios

Lost in Austen

Qual fã de Orgulho e Preconceito já não se imaginou dentro da história do livro? Qual de nós não queria conhecer o Mr. Darcy? Amanda Price (Jemima Rooper) vive uma vida normal e chata de uma mulher do nosso século. Ela tem um emprego que odeia e um namorado insensível, e quando a vida real parece demais para aguentar, ela busca refúgio nas páginas do seu livro preferido, Orgulho e Preconceito. Até que um dia ela encontra Elizabeth Bennet no banheiro do apartamento dela e descobre um ‘portal’ onde ela é transportada para a casa dos Bennet e troca de lugar com Elizabeth.

Ela entra bem no início, quando Bingley e Darcy recém chegaram à Hertfordshire, e com Elizabeth Bennet vivendo no século 21 (e não conhecendo o Mr. Darcy), Amanda vê a história mudando completamente de rumo, e tenta consertar fazendo muita confusão. Quando ela finalmente conhece Mr. Darcy ela tem a mesma impressão dele que Elizabeth Bennet teve, e eles não se dão muito bem, mas logo ela está apaixonada por ele, e ele por ela…

Lost in Austen é engraçado do início ao fim, tenho vária cenas favoritas, e a melhor de todas, é do vídeo abaixo, quando Amanda pede ao Darcy para mergulhar no lago para ela (relembrando a cena da série Orgulho e Preconceito de 1995, e o mergulho Collin Firth… ai ai ai). E quando ela canta Downtown? Hilário! Eu, como boa virginiana que sou, me apego mais ao aspecto prático das coisas, e me pego pensando como seriam coisas básicas se eu de repente me achasse no século XVIII. Acho que nem pelo Mr. Darcy eu abriria mão de certos luxos, tais como escova e pasta de dente, desodorante, hidratante, filtro solar, papel higiênico e o mais importante, pílula anti-concepcional (a possibiliade de parir filhos sem peridural faz esse item ainda mais valioso). No caso da Amanda, ela se vira como pode, depila as pernas com um descascador de batatas, e tem que usar giz para limpar os dentes.

Mas vamos ao que interessa… o Mr. Darcy, neste caso Elliot Cowan. Como é uma comédia, eu desculpo o fato deste Darcy ter sido interpretado de uma maneira totalmente caricata. Ele é muito mais carrancudo e grosseiro do que o Darcys que eu já assisti, mas ele se redime completamente (para mim), saindo de camisa branca do lago… Eu sei, é ridículo, mas não consigo evitar! Hum, e a propósito, acho que na cena do lago não molharam o cabelo dele porque aquele topete deve ser peruca, já que o Elliot está no meio do caminho para calvície. Algumas cenas com ele também são hilárias, principalmente quando Darcy vem ao século 21 atrás de Amanda. Alguém já imaginou o Mr. Darcy andando de ônibus?

Eu adorei do início ao fim, uma história leve e divertida, com os personagens que eu tanto adoro. Quem não assitiu e estiver interessado, aqui vai o link para baixar:  http://uksriesdownload.blogspot.com.br/2011/02/lost-in-austen.html

ou http://www.seriesuk.biz/2013/09/lost-in-austen-itv-2008.html


Little Dorrit – BBC 2008

Arthur Clennam volta para a Ingleterra depois de 20 anos vivendo na China. Seu pai, no leito de morte, faz à Arthur um pedido misterioso com relação à sua mãe. A mãe dele é um demônio (embora fanática religiosa), e se recusa a dizer à Arthur ao que o pai se referia quando morreu. Mas ele está determinado a descobrir a verdade e cumprir o pedido do pai. É aí que ele conhece a jovem Amy Dorrit, que está trabalhando como costureira para a mãe dele. Como a velha bruxa não é dada a fazer caridades, Arthur começa a desconfiar que a família dele esteja relacionada com a situação da família de Amy. Amy Dorrit nasceu e cresceu na prisão de devedores de Marshalsea, onde o pai dela está preso há mais de 25 anos por conta de dívidas não pagas. Então Arthur começa a fazer tudo que pode para ajudar a família dela e tentar desvendar os mistérios do passado, e Amy acaba se apaixonando por ele.

Mais uma bela adaptação de um clássico de literatura inglesa pela BBC. Tinha como melhorar? Tinha… pelo menos para mim, porque o ator Matthew Macfadyen (meu Mr. Darcy favorito) faz o papel principal, Arthur Clennam. Já assisti outros filmes e séries com o MM, e cheguei à uma conclusão definitiva: ele nasceu para interpretar mocinhos de época.

Arthur é a bondade em pessoa, Amy também, mas o personagem que eu mais gostei foi John Chivery, filho do carcereiro da prisão, que cresceu com Amy e é apaixonado por ela. O coitadinho não tem a menor chance, e mesmo sabendo que ela não ama ele, faz de tudo para ajudá-la. E ele é super-dramático nas declarações dele, é engraçado e de dar pena ao mesmo tempo. O ator que interpreta John é muito bom e a cena abaixo é uma das melhores que eu já vi.

Me envergonho em dizer que nunca li qualquer obra de Charles Dickens, um erro que pretendo corrigir logo. A minissérie tem 14 capítulos, sendo o primeiro e o último de 1 hora de duração, e o restante de 30 minutos. Assisti tudo em duas noites para não perder o ritmo, porque são tantos personagens e tantos mistérios que é fácil se perder. Na verdade, tive que assistir ao final duas vezes, e apelar para o resumo do livro wikipedia para entender bem algumas coisas que não ficaram claras para mim, como o mistério das origens de Amy e Arthur.

Fiquei interessada em ler o livro, mas descobri que a última edição dele em português foi em 1968, e é pouco provável que eu vá encontrar para comprar. Achei em inglês na internet, mas são 871 páginas! Vou ter que estar muito inspirada para ler o livro todo, mas dei uma lida nas últimas 100 páginas para tentar capturar alguns fatos que a série não esclareceu. Fazendo uma breve pesquisa descobri que o pai de Charles Dickens passou alguns anos na prisão de devedores de Marshalsea, e que a história é uma crítica às leis da época, que prendia os devedores, assim impedindo-os de trabalharem para pagar as dívidas.

No fim das contas, a série valeu as oito horas passadas na frente da televisão, e é mais uma obra que vai para minha coleção. Link para baixar: Little Dorrit, segunda opção de download: Little Dorrit

29/04/2011 – Voltei para dizer que nos dois últimos dias já assisti o episódio final de Little Dorrit pelo menos uma quatro vezes e estou amando cada vez mais! Para quem não entendeu a ligação entre Amy e Arthur postei a explicação nos comentários para não dar Spoiler.


Cranford – Elizabeth Gaskell

Cranford – BBC 2007

Faziam mais de três meses que eu tinha o arquivo dessa série, mas não tinha me animado o suficiente para olhar porque achei que eu não ia gostar. Mas como eu estava enganada! Como todas as séries da BBC que assisti até hoje, Cranford não me decepcionou.

Antes de postar qualquer coisa aqui, eu sempre pesquiso um pouco para não acabar escrevendo besteira, e dessa vez ainda bem que eu fiz isso. Eu achava que Cranford era baseado no livro de mesmo nome de Elizabeth Gasklell (North & South, Wives and Daughters), mas na verdade a série é baseada em três obras da escritora: ‘Cranford’, ‘Mr. Harrison’s Confessions’ e ‘My Lady Ludlow.’ Cranford não é um romance, a história não é centralizada em um casal, mas sim uma comédia/drama sobre os habitantes de uma pequena cidade do interior da Inglaterra na metade do século XVIII.

Fiquei muito feliz de reconhecer vários atores de outras produções da BBC, e principalmente do filme Orgulho e Preconceito de 2005. Judi Dench (Lady Catherine de Bourgh em O&P) como a adorável Miss Matty, Claudie Blakley (Charlotte Lucas em O&P) como a criada Martha, e o que mais me chamou a atenção, Simon Woods (o fofo Mr. Bingley de O&P) como o Dr. Harrison. Ele está tão diferente na série que eu reconheci primeiro a voz dele (sim, eu já assisti O&P tantas vezes que conheço todas as vozes e todas as falas de todos os personagens, sou meio obcecada). E assim como ele foi um perfeito Mr. Bingley, o personagem do Dr. Harrison também ficou perfeito para ele. Continuo com o mesmo veredicto: ele é muito fofo.

Cranford é a própria perfeição em locações, cenários, figurinos e interpretação (Judi Dench está óóóóóótima), e a série foi indicada a 4 Globos de Ouro. Para quem gosta de ser transportado para o passado (como eu), nem que seja por apenas algumas horas, eu recomendo! Link para baixar em rmvb legendado: Episódio 01Episódio 02; Episódio 03; Episódio 04 e Episódio 05.

Não achei trailer legendado em português, então vai em espanhol mesmo:


Site de Fanfics

Nas minhas buscas por novas histórias, encontrei um site de fanfics muito bom e resolvi dividir. O link: http://www.fanfiction.net/book/Jane_Austen

Algumas histórias são toscas, mas algumas são muito boas! Dá para escolher o tema, língua, quantidade de palavras e classificação (cuidado, classificação ‘M’ significa impróprio para menores, rsrrss).

OBS: Tem algumas em português, mas as melhores são em inglês mesmo.


Assumed Engagement – Kara Louise

Tradução do título: Noivado Presumido. Essa história continua depois do capítulo 36 de Orgulho e Preconceito. Na viagem de volta para Pemberley depois da proposta de casamento para Elizabeth em Rosings, Mr. Darcy sofre um acidente de carruagem, e ele fica inconsciente. Só que ele tinha escrito para Georgiana que iria pedir a mão de Elizabeth em casamento, e Georgiana, pensando que eles estão noivos, escreve para Elizabeth pedindo a ela para ir para Pemberley para ajudar o irmão. Elizabeth, por sua vez, sabendo que Bingley vai estar lá e que Darcy está inconsciente e incapaz de negar o noivado, decidi ir, apenas para tentar unir Jane e Bingley. Ela acaba ajudando a cuidar de Darcy, até que ele recobra a consciência e depois de mais alguns mal entendidos Elizabeth vai embora. Quem dá uma mãozinha nessa história é Georgiana, que decidi ajudar o romance dos dois, e algumas dessas tentativas são hilárias. Tem uma cena no casamento de Jane e Bingley envolvendo um lenço perfumado que é de chorar de rir.

O enredo não é dos mais plausíveis, já que eu não acho que Elizabeth Bennet seria capaz de intencionalmente enganar alguém assim, mesmo que fosse em benefício da irmã, mas fora isso, achei muito fofo. Tem uma continuação chamada Assumed Obligation que pretendo ler mais para frente.


Minha coleção Jane Austen

Minha coleção ‘Jane Austen’ que é uma obra em andamento.

Em ordem: Amor & Inocência (filme 2007 -inspirado na vida de Jane Austen); O Clube da Leitura de Jane Austen (filme 2007); Emma (filme 1996); Lost In Austen (série ITV); Persuasão (filme BBC 2007); Mansfield Park (filme ITV 2007); Northanger Abbey (filme ITV 2007); Miss Austen Regrets (2008); Razão e Sensibilidade (filme 1995); Orgulho e Preconceito (filme 2005); Orgulho & Preconceito (Série BBC 1995); Box BBC Romances contendo: Razão e Sensibilidade (série BBC 2008); Emma (série BBC 2009) e North & South (2004).

A Abadia de Northanger; Emma; Captain Wentworth’s Diary (livro ‘fanfic’), Orgulho e Preconceito e Zumbis; Pride and Prejudice (em inglês); Mr. Darcy’s Diary (livro ‘fanfic’); Orgulho e Preconceito; Razão e Sensibilidade; Persuasão; e To Conquer Mr. Darcy (livro ‘fanfic’).

Ainda falta Mansfield Park que só tenho em PDF, os vários livros de fanfic que tenho em e-book, e algumas adaptações que tenho salvas no meu Hd como Orgulho e Preconceito (filme 1940), Orgulho e Preconceito (série BBC 1980), Persuasão (1995), Mansfield Park (filme 1999).