Eu quero uma garota que lê – por Mark Grist

Eu quero uma garota que lê

“Então, o que você prefere em uma garota?”
Ele exulta, levantando uma cerveja aos lábios
Gesticula para onde seu companheiro senta
Entornando seu copo
“Ele prefere seios
Eu prefiro bunda.
O que você prefere em uma garota? “

Eu não me sinto confortável
O ar saiu da sala há muito tempo
Todos os olhos estão em mim
Bem, se você quer saber

Eu quero uma garota que lê
É. Lê.
Eu não estou tentando te chamar de machista
Porque eu sei que você não está sozinho nisto
mas …

 Eu quero uma garota que lê
Que precisa da palavra escrita
E utiliza o vocabulário adicionado
Que ela recolhe a partir de romances e poesia
Para manter uma conversa animada
Em uma variedade de situações sociais

Eu quero uma garota que lê
Que o coração sangra com as palavras de Graham Greene
Ou até mesmo da revista Heat
Que vai amarrar o cabelo para trás durante a leitura de Jane Eyre
e vai de capa a capa com cada oferta de três por dois da Waterstones*
mas eu quero uma garota que não para por aí

 Eu quero uma garota que lê
Que alimenta seu vício pela ficção
Com poemas e peças inusitadas
Que ela caça em livrarias tortas por dias e dias e dias
Ela vai sentar-se viciada no café da manhã, absorvendo a parte de trás da caixa de sucrilhos
E a informação que ela recebe a partir do que ela lê faz dela muito atraente
Porque ela é interessante e única
E suas teorias me fazem fraco nos joelhos

Eu quero uma garota que lê
Uma menina cujo os olhos analisarão
O menu durante o jantar
Que vai usar o que ela aprende para chutar a minha bunda em discussões
por isso ela sempre termina a vencedora
Mas ela ainda vai ser doce e ela ainda vai ser sedutora
Porque ela ama os clássicos e os clássicos são sacanas
Então, tarde da noite ela sempre vai me ter em um estado de estupor
Enquanto ela parafraseia os momentos provocadores das obras de Jilly Cooper

Veja, alguns caras preferem bundas
Alguns preferem seios
E eu não estou dizendo que eu não gosto dessas partes
Mas o que é mais importante
O que suplanta
É uma garota com paixão, inteligência e sonhos
Então, eu gosto de uma garota que lê.

by Mark Grist

Vi esse vídeo no Youtube e achei tão legal que resolvi traduzir e compartilhar com vocês (tradução expressa, então me desculpem os erros). Sobre o poema só posso dizer que caras como esses são praticamente criaturas mitológicas que poucas de nós teremos a oportunidade de conhecer… 😦 O texto original em inglês vocês podem encontrar aqui.

* Waterstones é uma rede de livrarias.


Um novo Mr. Darcy no pedaço…

Tenho que confessar que não sou uma das janeites empolgadas com o “Lizzie Bennet Diaries” que está sendo postado no youtube já tem bastante tempo. Eu assisti ao primeiro e não me atraiu e deixei de lado, apesar de muitas amigas gostarem muito. Para quem não conhece, é uma série de vídeos curtos postados no youtube, em formato de vídeo-diário, contando uma versão moderna de Orgulho e Preconceito. Acho que a minha falta de empolgação é que até então o Darcy ainda não tinha aparecido… E agora que ele apareceu acho estou suficientemente motivada! Não posso dar minha opinião ainda pois não assisti a série (pretendo começar nesse fim de semana), esse Darcy não é um MM mas é bem agradável aos olhos…

Apresento o novo Mr. Darcy, Daniel Vincent Gordh:

A declaração:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Me me enviaram uma mensagem pedindo a série legendada e sei que está disponível no youtube com legendas em português, mas as legendas não aparecem no vídeo, mas no recurso de legendas abaixo do vídeo. Segue o link:

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Matthew Macfadyen is sexy… and he knows it!

Ah, vi esse vídeo hoje e não resisti, tive que dividir com vocês! Para mim, parte do charme do Matthew é justamente ele não saber o quanto ele é lindo… Tem um vídeo com essa mesma música para o Richard Armitage que também é ótimo.


Orgulho e Preconceito – Documentário

Vocês já devem ter visto esse vídeo pois foi publicado em sites como o Jane Austen em Português  e o Jane Austen Brasil  essa semana e foi compartilhado entre muitas janeites no Facebook. Esse documentário de 1999 foi produzido pelo Discovery Civilization e faz parte de uma série chamada Great Books (Grandes Livros). A narração original é do Donald Sutherland (Mr. Bennet 2005) e conta com depoimentos da escritora Helen Fielding (O Diário de Bridget Jones) e da roteirista e diretora Nora Ephron.

Eu comecei a assistir mas parei logo. A voz que dubla o documentário é a mesma de outros programas do Discovery, em especial para mim um chamado O Índice da Maldade. Sim, eu não tenho apenas um gosto por romances do século passado, também gosto de coisas sinistras como esse documentário que traça perfis psicológicos dos mais famosos e cruéis assassinos dos últimos tempos e os classifica em escalas de perversidade. Bom, mas esse não é o assunto desse post, mas tive que comentar pois enquanto assistia ao documentário de O&P com aquela voz que me lembrava assassinatos sinistros, ficava todo o tempo esperando ele dizer que Darcy degolava Elizabeth… Revirei a internet atrás do vídeo com o áudio original, mas não tive sucesso, então me resignei a ver com a dublagem. Não me entendam mal, não estou reclamando, pois sei que para quem não entende inglês achar um documentário desses em português é um tesouro.

Apesar da série de 1995 já existir quando foi feito esse documentário (99), as imagens usadas são as do filme de 1940 e da série de 1980 e algumas com encenação própria. Eu não gosto muito de nenhuma dessas versões, mas como era um documentário não posso reclamar. Para quem nunca assistiu a série de 1980, tente não se assustar com aquele Darcy… 🙂

Ainda estou procurando o vídeo original, se eu achar postarei por aqui. Enquanto isso, se alguém tiver curiosidades sinistras como eu, segue o link para O Índice da Maldade

 


Está chovendo homens de época!

Eu já postei esse vídeo aqui tem mais de um ano eu acho, mas assisti Northanger Abbey novamente hoje e me lembrei dele. Essa é a melhor montagem de homens de época que eu já vi no youtube. É claro que aqueles com músicas românticas são legais, mas este aqui é muitooo melhor e muito bem feito. Homens de época molhados, o que mais eu podia querer dessa vida? 🙂 Quando postei da primeira vez, não tinha assistido a todos os filmes do vídeo, mas hoje só me falta assistir The Shadow in The North com JJ Feid, que pretendo baixar essa semana. Por falar em JJ Feild, mal posso esperar para vê-lo como Mr. Nobley em Austenland.

Matthew Macfadyen em Orgulho e Preconceito 2005; Colin Firth em Orgulho e Preconceito 1995, Richard Armitage em Norte & Sul 2004; Rupert Penry-Jones em Persuasão 2007 e na série Casanova 2005; JJ Feild em Northanger Abbey 2007 e The Shadow in the North 2007; Dan Stevens, David Morrissey e Dominic Cooper em Razão e Sensibilidade 2008; Alan Rickman e Greg Wise de Razão e Sensibilidade 1995; Ioan Gruffudd no filme Amazing Grace 2006 e Anthony Howell em Wives & Daughters 1999 e Jeremy Northam em Emma 1996.


Morte no Funeral e Little Dorrit – Erros de filmagem

A Luciana me mandou esse link com erros de filmagem de Morte no Funeral e resolvi postar porque é muito engraçado. E ainda achei outro de erros de Little Dorrit (Matthew radar: o:53). Bem que poderia ter um desses de Orgulho e Preconceito não é?

 


Entrevista com o elenco de Os Três Mosqueteiros (2)

Eu postei esses vídeos nos comentários, mas acho que merecem um post próprio. 10 X 0 na entrevista anterior, com perguntas realmente interessantes. Perguntam sobre Anna Karenina para o Matthew e ele diz que só pode falar da barba…