Momento *suspiros* do dia

Sabe aqueles dias que a gente precisa de um escape? Esse é o meu…

 

Anúncios

200 Anos de Orgulho e Preconceito!

É hoje! Há 200 anos atrás era publicado o romance mais lindo de todos os tempos…


Austenland – O Filme (prévia)

austenlandposter

Finalmente o filme Austenland fez sua estréia no festival de cinema Sundance. Para quem não sabe do que se trata, dá uma olhada no meu post sobre o livro aqui. O filme tem o JJ Feild (Mr. Tilney <3) como Mr. Noble – o Mr. Darcy da história, e Keri Russel (da série Felicity) no papel da protagonista, Jane Hayes. Não sei se o filme irá passar no cinema, ainda mais aqui no Brasil, mas assim que for anunciado alguma coisa posto por aqui. Ou quando eu achar um lindo torrent para download…. Abaixo algumas imagens de divulgação e um vídeo de entrevistas com o elenco.

IMG_1859.JPGtumblr_mgt12vUNFw1qkx0gbo1_500tumblr_mgt0zhSB1P1qkx0gbo1_500

Entrevista: https://www.youtube.com/watch?v=Tdmo96Afhc4


BBC irá recriar o Baile de Netherfield para o aniversário de 200 anos de Orgulho e Preconceito

Image49

No dia 27 de Janeiro  deste ano, janeites de todo o mundo estarão comemorando os 200 da primeira publicação de Orgulho e Preconceito. E a BBC vai recriar o baile de Netherfield para marcar a data. Podiam chamar o Matthew para o evento, vestido à carater é claro.. Não acham?

Segue a notícia publicada pelo site The Independent (tradução tabajara by Samanta – ignorem os erros):

——————————

Planejadores de festas do passado serão trazidos à vida pela BBC ao recriarem um baile de Regência completo para marcar o aniversário de 200 anos de Orgulho e Preconceito.

Em um especial de 90 minutos, peritos irão re-encenar o planejamento e os ensaios para um baile do início do século 19, bem como um retrospecto do testemunho em primeira mão de frequentadores de bailes da época.

E vai terminar com uma recriação autêntica baseada np baile de Netherfield de Jane Austen, como descrito no clássico literário que foi um ponto de viragem no romance entre Elizabeth Bennet e Mr Darcy.

A BBC2 vai exibir o programa Orgulho e Preconceito: tendo um Baile na Páscoa, liderado por Amanda Vickery e Sooke Alastair, e filmado em locações em Chawton House, Hampshire.

Os produtores do programa irão olhar para todos os aspectos, incluindo a dança, a música, a comida e a moda.

A controladora da BBC2, Janice Hadlow disse: “Orgulho e Preconceito é uma pedra angular do património cultural e literário britânico e, 200 anos depois de sua publicação, é fantástico ser capaz de trazer ao público da BBC2 um novo olhar sobre os acontecimentos por trás do popular evento social da época.”

Os especialistas incluem o historiador de alimentos Dia Ivan, acadêmicos que podem aconselhar sobre a música e a coreografia e o especialista literário Professor John Mullan, que irá garantir a autenticidade ao trabalho de Jane Austen.

O programa também irá analisar a história social do mundo de Austen e o significado dos bailes formais na época dela, na formação de casamentos.

Mark Bell, editor de artes, disse: “Com a popularidade duradoura do romance e suas muitas adaptações de televisão e cinema, este programa especial para a BBC2 oferece uma nova perspectiva, explorando com profundidade e detalhe uma das funções mais cruciais da Grã-Bretanha na época da Regência.”

Haverá também receitas da época no site BBC Food, e ainda mais material on-line sobre a arte, a moda, e a dança do período.

O 200 º aniversário da publicação é em 27 de janeiro.

Fonte: The Independent

tumblr_ldmsi43Xey1qayaiho1_500

 

 


Ripper Street – BBC 2013

538432_543810848963418_1193067101_nOntem à noite assisti ao primeiro episódio de Ripper Street, a nova série do nosso querido Matthew Macfadyen. A história se passa em Londres, em 1889, após os assassinatos de Jack O Estripador. Matthew é o detetive- inspetor Edmud Reid, responsável por manter a ordem no distrito de Whitechapel, depois de um tempo tumultuado para Londres devido aos assassinatos.

294006_541070069237496_442584393_n

Eu estava com saudades de ver algo novo com o Matthew, e como Anna Karenina ainda vai demorar um pouco mais para chegar aqui no Brasil, a nova série foi uma boa pedida. Mas já antecipo que a temática é bem pesada e algumas cenas são de embrulhar o estômago. Acho que a melhor definição para a série seria a de um CSI da época vitoriana. Para quem está acostumado com séries policiais e médicas acho que não vai ter problema, mas eu sou meio fresca para essas coisas. Mas, enfim.. tudo pelo MM. No mais, gostei do primeiro episódio, e sem dúvidas assistirei aos outros. Como tudo da BBC, muito bem feito. E o Mattew maravilhoso como sempre… aquela voz… 🙂 Segundo o IMDB a série tem 7 episódios no total, que serão exibidos semanalmente.

Eu baixei o primeiro episódio legendado em porrtuguês através deste link: Ripper Street Acredito que os demais episdios irão ser postados nesse site também.

281315_10151234181878705_18308760_n


Porque ainda nos apaixonamos por Mr. Darcy?

Hey! Faz tempo que não publico nada aqui, eu sei… Ando meio desmotivada, mas continuo respondendo aos comentários que aparecem nos posts antigos. Encontrei esse artigo hoje e achei o tema bem interessante para debatermos aqui. Não é exatamente novo (publicado em 2004) como vocês vão ver nas referências aos filmes. Eu não concordo com o que diz no texto, até porque sabemos mais do que ninguém que Mr. Darcy é uma fantasia e não um ideal de homem a ser buscado. Se essa fantasia não existisse, Christian Grey não faria o sucesso que está fazendo… Quero ouvir o que vocês acham!

Tradução ‘Tabajara’ feita por mim, ignorem os erros!

tumblr_le7adenxod1qchde8o1_r1_500

Porque ainda nos apaixonamos por Mr. Darcy – por Cherry Potter

Mr. Darcy é o ícone ficcional romântico favorito das mulheres. De acordo com uma pesquisa recente, realizada pelo Prêmio Orange de Ficção, 1.900 mulheres de várias gerações votaram em Mr. Darcy como o homem com quem elas mais gostariam de ir a um encontro. Ele também foi personagem de ficção que as mulheres mais gostariam de convidar para um jantar – o que me parece estranho, já que certamente Mr. Darcy iria passar a noite olhando para o teto ou grunhindo de tédio ou encarando os convidados.

Seja como for, há três novos Darcys ficcionais nas tramas dos filmes. Em Noiva e Preconceito, uma reformulação contemporânea de Bollywood  do clássico de Jane Austen, o orgulhoso Mr. Darcy foi transformado em um arrogante magnata  americano que é rude e condescendente para com Lalita (a personagem Elizabeth Bennet) e sua família indiana. Apesar da impressionante boa aparência dele, ela, naturalmente, o detesta e despreza … até que, bem, você sabe o resto.

No Limite da Razão, sequência de o Diáro de Bridget Jones, está previsto para lançamento em novembro. O primeiro filme de Bridget Jones terminou com a nossa divertida e bem-humorada heroína abrigada em seu momento feliz-para-sempre com o virtuoso e fiel Mark Darcy / Colin Firth. Aparentemente, os piratas de filmes ofereceram US $ 10 milhões por uma cópia prévia perfeita – o que é um golpe publicitário brilhante, ou outro sinal da enorme popularidade de filmes com personagens chamado Mr. Darcy, particularmente se eles estão também sendo interpretados por Colin Firth. Eu não invejo Matthew MacFadyen (da série de TV Spooks), que irá entrar no lugar de Firth na última adaptação repleta de estrelas que está sendo filmada neste momento.
Quando Firth estrelou a adaptação de Orgulho e Preconceito de Andrew Davies para a TV em 1995, ele se tornou para sempre identificado nos olhos de multidões de mulheres adoradoras (provavelmente devido à cena em que ele saiu do lago depois de um mergulho pela manhã), com o caráter de um homem que pode ser reprimido e difícil, mas, ao mesmo tempo, é moralmente correto e devastadoramente sexy.

É claro que o romance de Austen não fala nada sobre a sexualidade real de Darcy ou a falta dela. Além de estar sujeita às restrições óbvias de uma escritora nos tempos da Regência, ela também pode ter percebido que as melhores cenas de sexo residem na imaginação segredo de seus leitores.

Mas o que ela fornece é uma tela em branco perfeita para que as admiradoras de Darcy, ao se identificarem com Elizabeth Bennet, possam projetar a mais arquetípica de todas as fantasias femininas – que será a única mulher a descobrir a chave para desvendar a alma de um homem torturado, assim libertando suas paixões escondidas.

É natural que tal fantasia dominasse as mulheres há dois séculos atrás. Quando a sociedade era profundamente patriarcal, homens como Darcy eram realmente sérios, distantes e poderosos – no romance, Darcy mesmo se descreve como “egoísta e arrogante”. As mulheres eram separadas dos homens por todos os tipos de convenções formais que as deixavam poucas oportunidades de conhecer os homens até que elas estivessem casadas. A questão é, por que Darcy continua a ter um fascínio sobre as mulheres, especialmente mulheres educadas literárias e feministas, no século 21?

Por exemplo, em resposta ao questionário do Prêmio Orange de “romances marcantes”, que mudaram a vida dos leitores, Carole Welch, diretora editorial adjunta da Cetro, escolheu Orgulho e Preconceito porque “acendeu as chamas da minha vontade de ler … que me levou a tornar-me uma editora.” Mas, então, ela acrescenta o lado negativo: “Me incentivou a me apaixonar por homens mal-humorados, carismáticos, aparentemente inatingíveis, com resultados lamentavelmente menos felizes do que para a heroína de Jane Austen.”

Aqui está o atrito – Austen nos deixa supor que o casamento de sua heroína é feliz apesar de retratar muito poucos casamentos idilíacos no resto de seus textos. Além disso, a santificação de Austen como romancista é tal que alguém mal se atreve a apontar que, quando se trata de casamento e o que se passa por trás da porta do quarto, ela mesma não tinha nenhuma experiência em primeira mão. Mas, como mulheres modernas, com a nossa vasta experiência em relacionamentos e todos os benefícios trazidos pelo feminismo, devemos conhecer melhor. O fato é que tipos obscuros, ardentes, temperamentais, carismáticos e arrogantes como Darcy, a quem odeiam à primeira vista e, depois, nos encontramos nos apaixonando, muitas vezes – principalmente depois que se casa com eles – acabam por ser rígidos, dominadores e controladores.

Que mensagem essa fixação por Darcy envia aos homens? Por um lado, as mulheres dizem que querem homens que são emocionalmente inteligentes, sensíveis, flexíveis, que gostam de compartilhar de forma igual e divertidos de estar com eles. Mas essas mesmas mulheres estão suspirando por um personagem fictício que é o epítome do macho dominante patriarcal. Não é de se admirar os homens estejam confusos.

Longe de estar suspirando sobre a última adaptação de Orgulho e Preconceito, aquelas de nós que experimentaram o lado escuro da síndrome de Darcy devem alertar as mulheres mais jovens, que podem estar em perigo de repetir os nossos erros. Tenho certeza de que Jane Austen estaria torcendo por nós.

· Cherry Potter é o autora de “Screen Language e I Love You But … Seven Decades of Romantic Comedy”

Fonte: http://www.guardian.co.uk/film/2004/sep/29/books.gender