Sorrisos ou olhares fulminantes?

Oh! Dúvida cruel! Não sei vocês mas eu adoro os dois! P.S. Esse fim de semana tem fanfic nova, prometo. 😉

Anúncios

You pierce my soul…

Falar sobre Spooks me deu saudades dele; Rupert Penry-Jones como Capitão Wentworth. Definitivamente está na hora de assistir Persuasão novamente. 🙂


Persuasão – 1995

Foi a primeira adaptação de Persuasão que eu assisti, na ocasião estava ansiosa para colocar um rosto nos personagens do livro que eu tinha acabado de ler. Eu assisti há uns dois anos atrás no youtube sem legendas (não sabia o que era torrent até então). Lembro de ter ficado meio decepcionada com os atores, mas logo em seguida descobri a versão de 2007 e apaguei a outra da minha memória. Então, Capitão Wentworth = Rupert Penry-Jones e fim de papo.

Mas a fim de ser justa, resolvi baixar Persuasão de 1995 e assistir novamente com outros olhos, pois sei que muitas fãs de Jane Austen gostam muito mais dessa versão do que da mais recente. Sinto muito, mas não deu… Não é simplesmente porque os atores parecem muito mais velhos do que a idade que eles tinham; Anne 27 anos (Amanda Rooth tinha 32 quando interpretou Anne Elliot mas eu acho que ela parecia ainda mais velha do que isso), e Wentworth acredito que uns 32, a idade dele não é especificada no livro (Ciáran Hinds tinha 42 anos na época). Anne Elliot decididamente não era bonita, e como Jane Austen diz em Persuasão ela tinha perdido o frescor da juventude então Amanda Root foi uma escolha até razoável. Mas o Capitão Wentworth era considerado bonito SIM. No livro quando Anne reencontra Frederick depois de oito anos, essas são as palavras: “Não; os anos que lhe tinham destruído a juventude e frescura, tinham dado a ele um ar mais alegre, viril e franco, sem diminuir em nada o seu fascínio pessoal. Ela tinha visto o mesmo Frederick Wentworth.” E não se pode esquecer a opinião de Sir Walter Elliot, um homem que dava extrema importância a beleza: “Sir Walter, de fato, embora não sentisse afeto por Anne, nem a sua vaidade se sentisse lisonjeada de modo a estar realmente feliz com o acontecimento, encontrava-se muito longe de pensar que ela fazia um mau casamento. Pelo contrário, quando conheceu melhor o Capitão Wentworth, quando o viu muitas vezes à luz do dia e o observou bem, ficou muito bem impressionado com os seus dotes físicos e achou que a superioridade da sua aparência podia bem contrabalançar a superioridade da posição social dela;”

Diante dessas informações, não consigo deixar de pensar que Ciáran Hinds não foi uma escolha certa para o papel. Não que eu ache ele particularmente feio, ele apenas não tem aquele charme e carisma que eu acredito que o Wentworth possuía. Ele tinha uma aparência digamos… meio ‘sujinho’, as roupas que ele usa na maior parte das cenas em Uppercross parecem sujas e velhas. Também não gosto do jeito dele falar, nem da voz. E por favor… se ele não estava no mar no comando de um navio, ele precisava realmente ficar usando aquele chapéu ridículo?

Tirando esses elementos essa adaptação é muito mais fiel do que a de 2007, um ponto muito a favor que me faz perdoar o restante. Principalmente no que diz respeito a carta, pois na de 2007 a mudança de circunstâncias não me agradou nada. A parte que mais me atraiu na adaptação de 1995 é exatamente a conversa que Anne tem com o Cap. Harville que motiva Frederick a escrever aquela bela carta, é com base nas palavras que ouve dela que ele resolve abrir o coração. Frases como: “Nós certamente não os esquecemos tão cedo quanto vocês nos esquecem.” ou “Todo o privilégio que reclamo para o meu sexo (não é muito invejável, não precisa cobiçá-lo) é o de amar mais tempo, quando a existência ou a esperança já desapareceram.” Essas são as palavras de Anne Elliot que fazem Wentworth acreditar que ainda há esperança para ele, que Anne não o esqueceu. Porque cortaram isso na versão de 2007 eu não consigo compreender de maneira alguma, e ainda por cima colocaram aquela corrida pelas ruas de Bath… Mas mesmo assim continuo preferindo essa versão.Só no Frederick Wentworth ela já me ganha! Para comprar, só tem com legendas em espanhol na Livraria Cultura. Link para download torrent + legenda em português: Persuasão 1995


A evolução dos heróis de Jane Austen

Quem iria suspirar por um desses bonitões aí embaixo? Não é à toa que a minha mãe não gosta de filmes de época se esses eram os mocinhos no tempo dela. Detalhe para o belo topete ostentado pelo Mr. Darcy. Não sei qual deles é o pior.  O Darcy de 1980 é igualmente assustador, mas o de 67 vence.

E agora, a evolução:


Captain Wentworth’s Diary – Amanda Grange

Esse livro é um dos motivos pelos quais eu resolvi começar a comprar arquivos de e-book ao invés de comprar o livro de papel. Demorou quase três meses para chegar!

Capitão Wentworth, o herói de Persuasão, conta nas páginas de seu diário, os acontecimentos em torno de seus encontros e desencontros com Anne Elliot. Eu já sabia mais ou menos o que esperar, pois além de conhecer a história, esse livro é da mesma autora de Mr. Darcy’s Diary. Aliás, Amanda Grange já escreveu ‘diários’ para vários mocinhos de Jane Austen; Mr. Knightley (Emma); Coronel Brandon (Razão e Sensibilidade); Edmund Bertram (Mansfiel Park); Henry Tilney (Abadia de Northanger) e até o canalha do Wickham (O&P) ganhou um diário. Mas meu coração só foi tocado por Darcy e Wentworth, então dispenso o resto.

No caso do Capitão Wentworth, o ponto de vista da autora oferece muito mais do que simplesmente recontar a história da perspectiva dele. As primeiras 120 páginasdo livro oferecem um relato de como tudo aconteceu; como ele conheceu Anne, como eles se apaixonaram, e quando e como eles se separaram. Em Persuasão a história começa direto no ano em que Wentworth volta para a vida de Anne, sabemos que eles foram noivos e que ela terminou o noivado, mas pouco se fala sobre o passado dos dois. No diário a autora aproveita para desenvolver esse passado, e eu adorei. Quando ele pede ela em casamento pela primeira vez, numa caminhada ao amanhecer, me lembrou a cena final de O&P de 2005. Dá para morrer de dó quando ele escreve sobre os planos para o futuro, quando se sabe que nada vai acontecer como ele espera.

O formato de diário não me agrada, e o livro pula do momento da separação deles direto para 8 anos depois quando ele está prestes a reencontrar ela. Achei meio estranho, mas ia ser difícil resumir esses 8 anos sem ficar chato, eu acho. Leitura recomendada para as fãs mais ávidas! Sobre traduções.


“I have loved none but you…”

Minha parte favorita de Persuasão, que me arrepia cada vez que eu leio… a carta do Capitão Wentworth para Anne Elliot no final do livro…. Como alguma coisa sempre se perde na tradução… segue a versão original e a traduzida.

“I can listen no longer in silence. I must speak to you by such means as are within my reach. You pierce my soul. I am half agony, half hope. Tell me not that I am too late, that such precious feelings are gone for ever. I offer myself to you again with a heart even more your own than when you almost broke it, eight years and a half ago. Dare not say that man forgets sooner than woman, that his love has an earlier death. I have loved none but you. Unjust I may have been, weak and resentful I have been, but never inconstant. You alone have brought me to Bath. For you alone, I think and plan. Have you not seen this? Can you fail to have understood my wishes? I had not waited even these ten days, could I have read your feelings, as I think you must have penetrated mine. I can hardly write. I am every instant hearing something which overpowers me. You sink your voice, but I can distinguish the tones of that voice when they would be lost on others. Too good, too excellent creature! You do us justice, indeed. You do believe that there is true attachment and constancy among men. Believe it to be most fervent, most undeviating, in F. W. I must go, uncertain of my fate; but I shall return hither, or follow your party, as soon as possible. A word, a look, will be enough to decide whether I enter your father’s house this evening or never.”

“Já não consigo escutar em silêncio. Tenho de lhe falar pelos meios ao meu alcance. Você transpassa-me a alma. Sinto-me entre a agonia e a esperança. Não me diga que é demasiado tarde, que sentimentos tão preciosos se perderam para sempre. Me ofereço novamente a ti com um coração  ainda mais seu do que quando  você quase o despedaçou há oito anos e meio atrás. Não diga que o homem esquece mais depressa que a mulher, que o amor dele morre mais cedo. Eu não amei ninguém, se não a ti. Posso ter sido injusto, posso ter sido fraco e rancoroso, mas nunca inconstante. Você sozinha me trouxe a Bath.. Somente para você eu penso e faço planos. Não reparou nisso? Não percebeu os meus desejos? Se eu tivesse conseguido ler os seus sentimentos, como creio que deve ter decifrado os meus, não teria esperado estes dez dias. Mal consigo escrever. A todo o momento estou a ouvir uma coisa que me emociona. Anne baixa a voz, mas eu consigo ouvir os tons dessa voz, mesmo quando os outros não conseguem.Criatura demasiada boa, demasiada pura! Faz-nos, de fato, justiça, ao acreditar que os homens são capazes de um verdadeiro afeto e uma verdadeira constância. Creia que esta é fervorosa e firme no F. W. Tenho de ir, inseguro quanto ao meu futuro; mas voltarei, ou seguirei o seu grupo, logo que possível. Uma palavra, um olhar será o suficiente para decidir se irei à casa do seu pai esta noite, ou nunca.”

Pessoalmente eu gosto muito mais da versão de 2007 mesmo não sendo tão fiel ao livro quanto a de 1995. Digamos que o casal da versão de 1995 parece um pouco velho né? Anne Elliot é para ter 27 anos de idade e o Capitão Wentworth uns 32 eu acho. Tá certo que naquela época se envelhecia mais cedo, mas mesmo assim é difícil de acreditar que aqueles atores tivessem essa idade. No livro Jane Austen diz que uma moça aos 27 anos já perdeu o frescor e a beleza da juventude, o que me ofenderia pessoalmente já que estou nos meus 27… Eu digo me ofenderia porque graças a Deus hoje em dia existe creme anti-rugas e filtro solar, o que deve garantir que meu rosto fique lisinho por mais alguns anos. Abaixo a foto dos dois casais para comparação…


Até na voz o Wentworth de 2007 ganha do outro, pena que nessa versão eles resumiram a carta e mudaram a maneira como Anne a recebe. Se tivessem sido mais fiéis nessa parte para mim estaria perfeito. Mas o Ciaran Hinds é lindo perto do ator que foi o Wentworth em 1971… dá uma olhada.

Evoluímos muito!