Sorteio de Livro – Undressing Mr. Darcy

Pessoal, para quem lê em inglês, a página All Things Jane Austen está sorteando duas cópias do livro “Undressing Mr. Darcy”, de Karen Doornebos. As regras para participar estão neste post da página, é só clicar lá e conferir: Undressing Mr. Darcy – Sorteio.

Boa sorte!

 

998306_685431224808035_1437968330_n

 

 


200 Anos de Orgulho e Preconceito!

É hoje! Há 200 anos atrás era publicado o romance mais lindo de todos os tempos…


Porque ainda nos apaixonamos por Mr. Darcy?

Hey! Faz tempo que não publico nada aqui, eu sei… Ando meio desmotivada, mas continuo respondendo aos comentários que aparecem nos posts antigos. Encontrei esse artigo hoje e achei o tema bem interessante para debatermos aqui. Não é exatamente novo (publicado em 2004) como vocês vão ver nas referências aos filmes. Eu não concordo com o que diz no texto, até porque sabemos mais do que ninguém que Mr. Darcy é uma fantasia e não um ideal de homem a ser buscado. Se essa fantasia não existisse, Christian Grey não faria o sucesso que está fazendo… Quero ouvir o que vocês acham!

Tradução ‘Tabajara’ feita por mim, ignorem os erros!

tumblr_le7adenxod1qchde8o1_r1_500

Porque ainda nos apaixonamos por Mr. Darcy – por Cherry Potter

Mr. Darcy é o ícone ficcional romântico favorito das mulheres. De acordo com uma pesquisa recente, realizada pelo Prêmio Orange de Ficção, 1.900 mulheres de várias gerações votaram em Mr. Darcy como o homem com quem elas mais gostariam de ir a um encontro. Ele também foi personagem de ficção que as mulheres mais gostariam de convidar para um jantar – o que me parece estranho, já que certamente Mr. Darcy iria passar a noite olhando para o teto ou grunhindo de tédio ou encarando os convidados.

Seja como for, há três novos Darcys ficcionais nas tramas dos filmes. Em Noiva e Preconceito, uma reformulação contemporânea de Bollywood  do clássico de Jane Austen, o orgulhoso Mr. Darcy foi transformado em um arrogante magnata  americano que é rude e condescendente para com Lalita (a personagem Elizabeth Bennet) e sua família indiana. Apesar da impressionante boa aparência dele, ela, naturalmente, o detesta e despreza … até que, bem, você sabe o resto.

No Limite da Razão, sequência de o Diáro de Bridget Jones, está previsto para lançamento em novembro. O primeiro filme de Bridget Jones terminou com a nossa divertida e bem-humorada heroína abrigada em seu momento feliz-para-sempre com o virtuoso e fiel Mark Darcy / Colin Firth. Aparentemente, os piratas de filmes ofereceram US $ 10 milhões por uma cópia prévia perfeita – o que é um golpe publicitário brilhante, ou outro sinal da enorme popularidade de filmes com personagens chamado Mr. Darcy, particularmente se eles estão também sendo interpretados por Colin Firth. Eu não invejo Matthew MacFadyen (da série de TV Spooks), que irá entrar no lugar de Firth na última adaptação repleta de estrelas que está sendo filmada neste momento.
Quando Firth estrelou a adaptação de Orgulho e Preconceito de Andrew Davies para a TV em 1995, ele se tornou para sempre identificado nos olhos de multidões de mulheres adoradoras (provavelmente devido à cena em que ele saiu do lago depois de um mergulho pela manhã), com o caráter de um homem que pode ser reprimido e difícil, mas, ao mesmo tempo, é moralmente correto e devastadoramente sexy.

É claro que o romance de Austen não fala nada sobre a sexualidade real de Darcy ou a falta dela. Além de estar sujeita às restrições óbvias de uma escritora nos tempos da Regência, ela também pode ter percebido que as melhores cenas de sexo residem na imaginação segredo de seus leitores.

Mas o que ela fornece é uma tela em branco perfeita para que as admiradoras de Darcy, ao se identificarem com Elizabeth Bennet, possam projetar a mais arquetípica de todas as fantasias femininas – que será a única mulher a descobrir a chave para desvendar a alma de um homem torturado, assim libertando suas paixões escondidas.

É natural que tal fantasia dominasse as mulheres há dois séculos atrás. Quando a sociedade era profundamente patriarcal, homens como Darcy eram realmente sérios, distantes e poderosos – no romance, Darcy mesmo se descreve como “egoísta e arrogante”. As mulheres eram separadas dos homens por todos os tipos de convenções formais que as deixavam poucas oportunidades de conhecer os homens até que elas estivessem casadas. A questão é, por que Darcy continua a ter um fascínio sobre as mulheres, especialmente mulheres educadas literárias e feministas, no século 21?

Por exemplo, em resposta ao questionário do Prêmio Orange de “romances marcantes”, que mudaram a vida dos leitores, Carole Welch, diretora editorial adjunta da Cetro, escolheu Orgulho e Preconceito porque “acendeu as chamas da minha vontade de ler … que me levou a tornar-me uma editora.” Mas, então, ela acrescenta o lado negativo: “Me incentivou a me apaixonar por homens mal-humorados, carismáticos, aparentemente inatingíveis, com resultados lamentavelmente menos felizes do que para a heroína de Jane Austen.”

Aqui está o atrito – Austen nos deixa supor que o casamento de sua heroína é feliz apesar de retratar muito poucos casamentos idilíacos no resto de seus textos. Além disso, a santificação de Austen como romancista é tal que alguém mal se atreve a apontar que, quando se trata de casamento e o que se passa por trás da porta do quarto, ela mesma não tinha nenhuma experiência em primeira mão. Mas, como mulheres modernas, com a nossa vasta experiência em relacionamentos e todos os benefícios trazidos pelo feminismo, devemos conhecer melhor. O fato é que tipos obscuros, ardentes, temperamentais, carismáticos e arrogantes como Darcy, a quem odeiam à primeira vista e, depois, nos encontramos nos apaixonando, muitas vezes – principalmente depois que se casa com eles – acabam por ser rígidos, dominadores e controladores.

Que mensagem essa fixação por Darcy envia aos homens? Por um lado, as mulheres dizem que querem homens que são emocionalmente inteligentes, sensíveis, flexíveis, que gostam de compartilhar de forma igual e divertidos de estar com eles. Mas essas mesmas mulheres estão suspirando por um personagem fictício que é o epítome do macho dominante patriarcal. Não é de se admirar os homens estejam confusos.

Longe de estar suspirando sobre a última adaptação de Orgulho e Preconceito, aquelas de nós que experimentaram o lado escuro da síndrome de Darcy devem alertar as mulheres mais jovens, que podem estar em perigo de repetir os nossos erros. Tenho certeza de que Jane Austen estaria torcendo por nós.

· Cherry Potter é o autora de “Screen Language e I Love You But … Seven Decades of Romantic Comedy”

Fonte: http://www.guardian.co.uk/film/2004/sep/29/books.gender


Orgulho e Preconceito – Documentário

Vocês já devem ter visto esse vídeo pois foi publicado em sites como o Jane Austen em Português  e o Jane Austen Brasil  essa semana e foi compartilhado entre muitas janeites no Facebook. Esse documentário de 1999 foi produzido pelo Discovery Civilization e faz parte de uma série chamada Great Books (Grandes Livros). A narração original é do Donald Sutherland (Mr. Bennet 2005) e conta com depoimentos da escritora Helen Fielding (O Diário de Bridget Jones) e da roteirista e diretora Nora Ephron.

Eu comecei a assistir mas parei logo. A voz que dubla o documentário é a mesma de outros programas do Discovery, em especial para mim um chamado O Índice da Maldade. Sim, eu não tenho apenas um gosto por romances do século passado, também gosto de coisas sinistras como esse documentário que traça perfis psicológicos dos mais famosos e cruéis assassinos dos últimos tempos e os classifica em escalas de perversidade. Bom, mas esse não é o assunto desse post, mas tive que comentar pois enquanto assistia ao documentário de O&P com aquela voz que me lembrava assassinatos sinistros, ficava todo o tempo esperando ele dizer que Darcy degolava Elizabeth… Revirei a internet atrás do vídeo com o áudio original, mas não tive sucesso, então me resignei a ver com a dublagem. Não me entendam mal, não estou reclamando, pois sei que para quem não entende inglês achar um documentário desses em português é um tesouro.

Apesar da série de 1995 já existir quando foi feito esse documentário (99), as imagens usadas são as do filme de 1940 e da série de 1980 e algumas com encenação própria. Eu não gosto muito de nenhuma dessas versões, mas como era um documentário não posso reclamar. Para quem nunca assistiu a série de 1980, tente não se assustar com aquele Darcy… 🙂

Ainda estou procurando o vídeo original, se eu achar postarei por aqui. Enquanto isso, se alguém tiver curiosidades sinistras como eu, segue o link para O Índice da Maldade

 


Como Jane Austen pode mudar sua vida

Uma amiga me mandou o link dessa coluna no facebook e achei que merece ser compartilhada. Quando eu li a referência sobre o filme é que fui notar a data de postagem, há mais de 6 anos atrás! Mas Jane Austen e Orgulho e Preconceito nunca deixam de ser atuais. Esse texto foi escrito por João Pereira Coutinho, e o original pode ser encontrado na Folha Online.

“Alain de Botton escreveu um livro sobre Proust para mudar todas as vidas. Bom negócio. Nos últimos tempos, tenho pensado em Jane Austen para mudar a minha. Corrijo. Tenho pensado em mim, no meu bolso e nas histórias de Miss Jane para mudar as vossas. Assim é que é.

Acontece quando um amigo (melhor: uma amiga) entra aqui em casa com lágrimas nos olhos. Problemas sentimentais, por favor, não façam caso. Fatalmente, tenho sempre dois objetos sobre a mesa: uma caixa de lenços de papel e, claro, uma cópia de “Orgulho e Preconceito”, o livro que Jane Austen publicou em 1813. Entrego o livro e, com palavras paternais, aconselho: Lê “Orgulho e Preconceito” e encontrarás a luz, meu amor.

Eles lêem e depois regressam, com a alma levantada, mais felizes que Mr. Scrooge ao descobrir que está vivo e é Natal. Inevitável. Jane Austen entendia mais sobre a natureza humana do que quilos e quilos de tratados filosóficos sobre a matéria.

Mas, primeiro, as apresentações: leitores, essa é Jane Austen, donzela inocente que nasceu virgem e morreu virgem. Jane, esses são os leitores (ligeira vênia). A biografia não oferece aventuras. Poderíamos acrescentar que morou com a família até ao fim. Que publicou os seus romances anonimamente, porque não era de bom tom uma mulher se entregar aos prazeres da literatura. E que suas obras, apesar de sucesso moderado, têm conhecido nos últimos anos um sucesso estrondoso e as mais díspares interpretações políticas, literárias, filosóficas, até econômicas. Já li textos sobre a importância das finanças na obra de Jane Austen. Sobre o vestuário. Sobre a decoração de interiores. Sobre os usos da ironia no discurso direto. Para não falar de filmes – mais de vinte – que os seus livros –apenas seis– suscitaram nos últimos tempos. O último “Orgulho e Preconceito” foi recentemente filmado no Reino Unido, com Keira Knightley (suspiros, suspiros) no papel principal. Vai aos Globos de Ouro. Provavelmente, aos Oscars também.

A loucura é total. Jane Austen mal sabia que, depois da morte, em 1817, o mundo acabaria por descobri-la e, sem maldade, usá-la e abusá-la tão completamente. Justo. Considero Jane Austen uma das maiores escritoras de sempre. Incluo os machos na corrida. Sem Austen, seria impensável encontrar Saki, Beerbohm ou Wodehouse. Miss Jane é mãe de todos.

E “Orgulho e Preconceito”? “Orgulho e Preconceito” tem eficácia garantida para males de amor. Vocês conhecem a história: Elizabeth, filha dos Bennet, classe média com riqueza nos negócios (quel horreur!), conhece Darcy, aristocrata pedante. Ela não gosta da soberba dele. Ele começa por desprezar a condição dela –social, física– no primeiro baile onde se encontram. Com o tempo, tudo se altera. Darcy apaixona-se por Elizabeth. Elizabeth resiste, alimentada ainda pelas primeiras impressões sobre Darcy. Darcy declara-se a Elizabeth, sem baixar a guarda do preconceito social. Elizabeth não perdoa o preconceito de Darcy e, ferida no orgulho, recusa os avanços. Darcy vai ao “Faustão”. Não, invento. Darcy lambe as feridas e afasta-se. Mas tudo está bem quando termina bem: Darcy e Elizabeth, depois das primeiras tempestades, estão condenados ao amor conjugal. Aplausos. The end.

As consciências feministas, ou progressistas, sempre amaram a atitude de Elizabeth: nariz alto, opiniões fortes, capaz de vergar Darcy e o seu preconceito aristocrático. Elizabeth seria uma espécie de Julia Roberts em “Pretty Woman”, capaz de conquistar, com seu charme proletário, um Richard Gere que fede a presunção. “Orgulho e Preconceito” seria, neste sentido, um livro anticonservador por excelência, ao contrário de “Sensibilidade e Bom Senso”, onde a hierarquia social tem a palavra decisiva. Elizabeth não é boneca de luxo, disposta a suportar os mandos e desmandos do macho. Ela exige respeito. Pior: numa família com dificuldades financeiras, Elizabeth comete o supremo ultraje –impensável no seu tempo– de recusar propostas de casamento que salvariam a sua condição e a conta bancária de toda a família. A mãe de Elizabeth, deliciosamente histérica, atravessa o romance com achaques nervosos, prostrada no sofá. Se “Orgulho e Preconceito” fosse um romance pós-moderno, a pobre mãezinha passaria metade do tempo suspirando: Esta filha vagabunda vai levar a família toda para a sarjeta!

Elizabeth não cede e triunfa. A família também. E os leitores progressistas?

Esses, não. Os leitores progressistas tendem a ler “Orgulho e Preconceito” como se existissem na trama duas personagens distintas, vindas de mundos distintos, com vícios e virtudes também distintos. Darcy contra Elizabeth, até ao dia em que o amor é mais forte. Erro. Jane Austen não era roteirista em Hollywood. E os leitores progressistas saberiam desse erro se soubessem também que o título original de “Orgulho e Preconceito” não era “Orgulho e Preconceito”. Era, tão simplesmente, “Primeiras Impressões”.

Nem mais. Se existe um tema central no romance, não é Elizabeth, não é Darcy. E não é, escuso de dizer, o dinheiro, a ironia dos diálogos ou a decoração de interiores. “Orgulho e Preconceito” é uma meditação brilhante sobre a forma como as primeiras impressões, as idéias apressadas que construímos sobre os outros, acabam, muitas vezes, por destruir as relações humanas.

De igual forma, “Orgulho e Preconceito” não é, como centenas e centenas de histórias analfabetas, uma história de amor à primeira vista. É, como escreveu Marilyn Butler, professora em Cambridge e a mais importante crítica de Austen, uma história de ódio à primeira vista. E a lição, a lição final, é que amor à primeira vista ou ódio à primeira vista são uma e a mesma coisa: formas preguiçosas de classificar os outros e de nos enganarmos a nós. Elizabeth despreza a arrogância de Darcy sem perceber que essa arrogância, às vezes, é uma forma de defesa: o amor assusta mais do que todos os fantasmas que habitam o coração humano. Darcy despreza Elizabeth porque Elizabeth é uma ameaça ao seu conforto social e até sentimental. Elizabeth e Darcy não são personagens distintos. Eles são, no seu orgulho e preconceito, personagens rigorosamente iguais.

Jane Austen acertou. Duplamente. Como literatura e como aviso. O amor não sobrevive aos ritmos da nossa modernidade. O amor exige tempo e conhecimento. Exige, no fundo, o tempo e o conhecimento que a vida moderna de hoje não permite e, mais, não tolera: se podemos satisfazer todas as nossas necessidades materiais com uma ida ao shopping do bairro, exigimos dos outros igual eficácia. Os seres humanos são apenas produtos que usamos (ou recusamos) de acordo com as mais básicas conveniências. Procuramos continuamente e desesperamos continuamente porque confundimos o efêmero com o permanente, o material com o espiritual. A nossa frustração em encontrar o “amor verdadeiro” é apenas um clichê que esconde o essencial: o amor não é um produto que se compra para combinar com os móveis da sala. É uma arte que se cultiva. Profundamente. Demoradamente.

Por isso, leitores desesperados e sonhadores arrependidos, leiam Jane Austen e limpem as vossas lágrimas! Primeiras impressões todos temos e perdemos. Mas o amor só é verdadeiro quando acontece à segunda vista.”


Citação – Persuasão

“Não podia ter havido dois corações tão sinceros, nem gostos tão semelhantes , nem sentimentos tão em uníssono, nem rostos tão amados. Agora era como se fossem estranhos, não, pior do que estranhos, porque nunca se conheceriam. Eram estranhos para sempre.” Jane Austen – Persuasão    


Austen Bad Boys

Eu gosto de pensar que nenhum deles conseguiria me enganar… Mas talvez Willoughby se eu tivesse em um dos meus momentos “tola-romântica”, mas como esses momentos são passageiros acho que ia cair na real logo. Agora Henry Crawford… Meu fraco por ele é que apesar da total falta de caráter, acho que ele realmente estava apaixonado pela mosca-morta da Fanny Price. E ele é muito charmoso também. Wickham, Frank Churchill, Mr. Elliot e John Thorpe (A.K.A. Troll) nem pensar! Alguém mais tem um ponto fraco por um desses bad boys?